Copa do Mundo: Como os Fãs Ouviram e o que Isso Pode nos Ensinar

A Copa do Mundo é um momento raro — uma experiência verdadeiramente global e coletiva, onde as pessoas se reúnem para assistir aos jogos e torcer pelas suas seleções. E, é claro, ouvir juntas.

No Spotify, pudemos acompanhar como as pessoas reagiram à loucura da Copa do Mundo por meio da música. Identificamos tendências de streaming que mostram como as pessoas criaram suas trilhas sonoras da Copa do Mundo em tempo real.

Vimos que quase todos os países criaram um “hino” — uma música distinta que tornou-se a faixa obrigatória durante o Mundial. Para o time da França, a grande campeã, esse hino foi “I Will Survive” de Gloria Gaynor. E, quando o time venceu o jogo, vimos que as reproduções da música atingiram um pico de 5.600% em todo o país, de cidade a cidade.

Na Inglaterra, o hino foi “Three Lions”, que atingiu um recorde no Spotify após a Inglaterra vencer a Colômbia no dia 3 de julho. E quando analisamos com mais atenção o momento do pico de streaming, percebemos algo ainda mais interessante.

Entre 15h e 18h, “Three Lions” teve um pico antes do jogo com os streams aumentando drasticamente. Depois, quando o jogo começou, os ingleses diminuíram o volume para se concentrarem no jogo. É claro, após a grande vitória da seleção, a música teve um pico após o jogo, batendo um recorde.

Vimos essa mesma tendência de picos antes e depois do jogo de forma generalizada, na Alemanha, no Brasil e na Islândia (e sim, na França também), o streaming teve um pico antes dos jogos, diminuiu durante o jogo e aumentou novamente, imediatamente após o fim da partida.

O que isso significa para marcas e publicitários?

Esses são exatamente os tipos de insights em tempo real e com base na música que impulsionam nossa inteligência de streaming — a compreensão única de nossa audiência por meio dos seus hábitos de streaming. Esses dados nos permitem entender em que momento do dia e em qual contexto as pessoas estão utilizando o Spotify. Ao entender quando as pessoas ouvem (com base em tendências e picos de reprodução) e o que elas ouvem (com base nas músicas, gêneros, títulos de playlists e muito mais), podemos otimizar a forma como você as alcança em momentos que importam de verdade, com conteúdo relevante.